Divirta-se com uma bike no Atacama

Vista do Licancabur (à esq.) em cima de um dos paredões da Quebrada del Diablo
San Pedro de Atacama tem lojas para alugar bike em toda esquina. Passear pelos arredores da cidade por conta própria é uma opção, além de interessante, mais barata do que os passeios regulares das agências de turismo. Claro, que não dá para ir de bicicleta a todas as atrações turísticas do Atacama, mas existem roteiros bastante acessíveis. As bicicletas são de boas marcas (Trek, Giant e Speciallize), bem conservadas e com todos os equipamentos de segurança (capacete, bomba para pneu e cadeado). Como são muitas lojas, é bom fazer uma pesquisa de preço. O aluguel para o dia todo custa em torno de 5 mil pesos chilenos (US$ 10). 

Eu fiz três passeios de bike no Atacama. Sem pressa, cada um deles me tomou meio dia, cerca de 5 horas. Os lugares são seguros e basta pedir um mapa dos arredores de San Pedro na loja em que alugar a bike, colocar a mochila nas costas e pedalar. 

Quebrada del Diablo e Vale do Catarpe

Foi o passeio de que mais gostei. Ele não exige muito preparo físico porque o trajeto é praticamente todo plano. Parte dele é em estrada de terra, no Vale do Catarpe, e outra em um caminho mais estreito no meio de cânions na Quebrada del Diablo.

Trilha na Quebrada del Diablo
Vou explicar como chegar à Quebrada del Diablo porque os mapas não dão os detalhes necessários. Tem que ficar atento a alguns pontos de referência, porque não há sinalização. Lembre-se que você está no meio do deserto e o caminho é praticamente desabitado. Não tem a quem pedir informações.
Saindo da rua principal de San Pedro (Caracoles), você tem que entrar à direita na rua Domingo Altienza. Vá até o fim dela em direção ao povoado de Pukara Quitor. Tem placas indicando Pukara. Antes de chegar ao monumento arqueológico de Pukara, tem uma ponte de pedra sobre um rio. Atravesse e continue na estrada de terra à margem do riacho. Siga o curso do rio até a entrada do parque de Catarpe. Não se paga nada para entrar e você pode seguir em frente. Nesse caminho vai cruzar alguns pequenos córregos, onde a bike passa tranquilamente.
Comece a prestar a atenção nas poucas placas. Haverá uma bifurcação. Siga no sentido oposto à trilha do "Túnel". Mais à frente encontrará um riacho (foto abaixo).

Rio que precisa ser atravessado para chegar à Quebrada del Diablo
Eu fui em abril e ele já estava com água pela metade do pneu da bike. Mas atravessei sem problemas pedalando. Transpondo a água, você já estará perto da entrada da Quebrada del Diablo. Ela fica à direita, mas a placa que mostra o caminho é muito pequena.

Placa está fixada em poste de madeira (à esq.)
Se passar por ela sem perceber, como eu fiz, vai percorrer o Vale do Catarpe, que também é bacana. Se vir um povoado com a Igreja de San Isidro é porque passou da entrada da Quebrada. Então, volte. Na Quebrada del Diablo o passeio é se deixar levar pelos cânions, apreciar os paredões de pedra. "Ouvir" o silêncio. São coisas simples como essas que fazem esse lugar especial. Não há como se perder. Não há bifurcações, pelo menos até onde eu fui.

Apesar do piso de terra, a trilha é fácil
Se tiver fôlego e disposição, pode deixar a bicicleta aos pés de uma das “montanhas” e subir até o topo para um piquenique. Fechar os olhos e respirar fundo lá em cima. Almocei com vista para o vulcão Licancabur. Foi revigorante.


Duna de sandboard no Vale da Morte

É outra opção de passeio e o destino é um setor de dunas no meio do Vale da Morte. Fiquei surpresa com a diversidade de paisagens no deserto. Nunca imaginaria que haveria no Atacama uma duna como as que temos aqui no Brasil.


Duna usada para a prática de sandboard no Vale da Morte
O visual desse passeio é totalmente diferente do anterior. Você terá que pedalar uns 4 km pela rodovia que liga San Pedro a Calama. Fique despreocupado porque há acostamento e o caminho é curto. Entre à direita na placa que indica a Cordilheira de Sal. Seguindo esse caminho por estrada de terra chegará à grande duna de areia fininha onde se pratica sandboard. É um passeio mais curto. Se não quiser voltar pelo acostamento, pegue uma estrada de terra sentido Pukara Quitor que fica à direita antes do cruzamento com a rodovia. Depois do povoado de Pukara, você estará em San Pedro. Para quem não quiser ir de bike, há agências de turismo em San Pedro que oferecem o passeio de carro até a duna e equipamentos para fazer sandboard.

Caminho para antigo Túnel em mina de sal 

Esse percurso não é longo, mas requer preparo físico porque são muitos trechos de subida. Eu fiz essa trilha na sequência da duna de sandboard, mas podem ser feitos em dias diferentes. O trajeto é o mesmo da Quebrada del Diablo (descrito acima).  Só que na bifurcação, siga a placa “Túnel”. O desafio aqui é a conquista do topo de uma antiga mina de sal. Lá de cima, tem uma vista do Vale do Catarpe e seu oásis verde na imensidão marrom do deserto e um túnel construído em 1930. Algumas pessoas acham que não vale o sacrifício da subida. Para mim, valeu pelo treino. A volta é moleza, só descidas.

A conquista do "Túnel"

Vista do Vale do Catarpe

Depois da subida, uma parada para um descanso com um piquenique

Porta-retrato esculpido pela natureza

Leia também...
Trilha de 2 dias em Parati (RJ)


Comentários

  1. Lindo demais, demais e demais. Rsrs...
    Ainda quero fazer algo assim.
    Super beijo! Obrigada por compartilhar essas coisas!

    ResponderExcluir
  2. Olá!!! Esses passeios de bike são muito interessantes. Gostaria de saber se não há perigo de se perder. Pra quem tem dificuldade em ler mapa. Obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Possibilidade de se perder sempre existe, né?! Mas as rotas não são complicadas e os mapas ajudam. Sou sempre da opinião que vale a pena arriscar quando a recompensa é animadora.

      Excluir

Postar um comentário

MAIS VISITADAS